Quem sou eu

Minha foto
De personalidade tão complexa que só a construção de espaços como este para comportar um pouco da trajetória intimista; paradoxalmente, tão simples ao ponto de permitir-se tornar invisível em prol da autopreservação...Sou eu.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Transtorno de Personalidade Histriônica ou Histérica (TPH)

O Transtorno de Personalidade Histriônica ou Histérica (TPH) é uma desordem de personalidade (incluída no grupo B "dramáticos, imprevisíveis ou irregulares" - Borderline, Histriônica, Anti-Social e Narcisista), representada por pessoas dramáticas, exageradas, sedutoras, que tendem a chamar atenção para si mesmas e controlam pessoas e circunstâncias para conseguirem o que querem - manipuladores.[1] É um distúrbio de personalidade que pode ocorrer concomitante ao Transtorno de Personalidade Limítrofe (Borderline) e, por isso, compartilham várias características em comum. Além disso, histriônicos têm uma probabilidade maior de adquirir depressão do que a maioria das pessoas.

Pessoas histriônicas não conseguem viver sem atenção. Carentes, elas acreditam que só são felizes com pessoas dando atenção a elas a todo instante, e acham que outros irão dar atenção apenas se agirem por extremos caminhos. Eles se consideram um "nada", caso fiquem sem atenção. Esses indivíduos têm profundos sentimentos de aborrecimento e tristeza caso se sintam ignorados, excluídos, rejeitados ou abandonados e ficam mal humorados facilmente se percebem que as pessoas não o responderam positivamente. Além disso, eles tendem a entreter as pessoas para estas não notarem seus pontos fracos e acreditam que animando, divertindo ou ajudando outras pessoas, apenas assim receberão atenção. Por vezes, são egoístas porque tendem a apenas fazer algo que tenha recompensa (ex.: afeto e atenção) e, de preferência, imediata; eles podem ajudar outras pessoas, fazendo-se de caridosos ou humildes pois sabem que assim terão atenção recompensada; ou então mostrar-se interessados por determinada pessoa apenas porque sabem que esta dará a atenção de que necessitam, mas quando cansam ou enjoam, tendem a deixar esta pessoa. Isto ainda é reforçado pelas oscilações do humor e opiniões de que histriônicos sofrem. Por vezes, confundidos com borderlines, os indivíduos histriônicos têm uma grande labilidade emocional marcada por instabilidade do humor e das emoções, muitas vezes estas expressas de forma exagerada mas superficial. Facilmente, de um humor animado, decaem ao choro, mau humor e depressão, bem como tendem a ser estressados podendo ter ataques de fúria incontrolável por se irritarem por qualquer coisa. Algumas vezes, essa grande instabilidade e exagero das emoções contribuem para se aparecerem mais.

De forma geral, a personalidade histriônica tem uma grande imaturidade emocional. Essas pessoas crescem fisicamente, mas por algum motivo, deixam de crescer emocionalmente e se estacionam nessa imaturidade, como se emocionalmente fossem eternas crianças. Contudo, diferente da imaturidade emocional causada por uma "superproteção" que pode ser revertida, nos transtornos de personalidade onde essa característica imatura está presente (histriônica, borderline, narcisista e anti-social), é muito difícil de ser amadurecida, exatamente porque os traços e modo de viver dessas pessoas são muito inflexíveis e desajustados, causando evidentes prejuízos e caracterizando, assim, um distúrbio de personalidade. Esses indivíduos podem chegar aos 15, 20, 30 anos e, mesmo assim, continuam imaturos afetivamente. As características mais evidentes de imaturidade emocional encontrada em histriônicos podem ser a impaciência e imediatismo, inconstância, instabilidade emocional, atitudes infantis, impulsividade, baixa tolerância à rotina e monotonia, deixar-se levar facilmente pelas emoções e intuição, vaidade, ciúmes em excesso, necessidade constante de atenção apenas para si, hedonismo, egocentrismo e egoísmo, dramatismo, intolerância às frustrações e decepções, devaneios românticos, relacionamentos superficiais, hipersensíveis - sentem-se facilmente feridos emocionalmente, fazem manipulações para conseguirem o que querem, tendência a acreditar que todos querem o seu mal, não conseguem ficar só, sem atenção e são pessoas com emoções à flor da pele, frequentemente desencadeando, por coisas de pouca importância, grande exagero ao expô-las (emotividade excessiva: acessos de euforia ou riso, chorar demais e facilmente, crises de mau humor bem como ataques de raiva ou irritabilidade).

Eles têm sempre uma atitude para atrair atenção, prazer e sedução e têm uma capacidade de mudar comportamentos em função do que aqueles esperam dele. Indivíduos com esse distúrbio, ao contrário de narcisistas, necessitam de uma autovalorização narcisista, pois muitas vezes têm uma imagem desvalorizada de si mesmo, são hipersensíveis e inseguros.

Essas pessoas são tidas frequentemente como os animadores, enérgicos e outras pessoas frequentemente apelidam-nas como "loucas", por vezes efusivos e pueris, podem gesticular e rir muito, sem controle, típico comportamento exuberante e chamativo. Esse comportamento, entretanto, é superficial sobretudo ao conhecer novas pessoas e circunstâncias e pode mudar drasticamente por conta da instabilidade das emoções e opiniões do histriônico, bem como a tendência à depressão. Na verdade, eles vivem a tentar entreter outras pessoas, porque acham que assim vão ter a atenção de que tanto necessitam e frequentemente podem demonstrar excessivo aborrecimento, ciúmes ou rancor caso percebam que outra pessoa está tendo mais atenção que eles. São pessoas literalmente exageradas em seu comportamento, sentimentos, emoções, falas etc. tanto que às vezes as outras pessoas podem achar que histriônicos são falsos ou fingidos, ocasionalmente, os outros têm dificuldade em nutrir confiança por histriônicos, estando sempre a duvidar, contudo, a verdade é que indivíduos com o transtorno demonstram em exagero o que realmente sentem (alegria excessiva, tristeza exagerada, raiva em excesso, ciúmes intenso, dor insuportável etc.) ou pensam, dando uma pseudo-aparência de fingimento.

Histriônicos, sobretudo as mulheres, frequentemente têm um comportamento tão extravagante que muitas vezes oscilam entre o cômico e a cólera. Por mais simpáticas e animadas estejam, com muita frequência, as mulheres histriônicas de repente podem ser tidas como barraqueiras, armadoras de confusão e provocações de brigas, pois podem expor excessivamente, sem nenhuma vergonha, suas emoções como a raiva ou cólera, por poucas de pouca importância (fazem tempestade em copo d'água), levando sempre em consideração ser o centro das atenções. Por vezes, esse comportamento chamativo e exagerado faz se expor às situações de sérios riscos. Geralmente esse tipo de comportamento é desencadeado por coisas pouco significantes que são tidas para o histriônico como algo de grande importância, como se "tudo o tirasse do sério", mas sempre colocando em conta ter todos os olhares centrados em si. Por exemplo, eles podem armar confusão por ciúmes com amigos, namorados etc.; bem como arranjar brigas, em um banco, por um simples atraso de atendimento. Frequentemente provocam com reclamações, xingamentos ou demonstrações excessivas de ataques coléricos, por vezes, envergonhando e constrangindo amigos e pessoas acompanhantes. Esse tipo de comportamento também pode ser encontrado nas pessoas com transtorno de personalidade limítrofe (Borderline), transtorno explosivo da personalidade e transtorno de personalidade anti-social (sociopatia), contudo, a principal característica que os difere, é o fato que histriônicos além de exibirem suas emoções com grande exagero, sempre tendem a querer concentrar os olhares em si, a partir desse tipo de atitude.

Histriônicos são carentes eternos de afeto (este freqüentemente não recebido corretamente na infância, por algum dos pais) e procuram incansavelmente carinho e atenção, podendo manipular todos ao redor para este fim com variadas formas possíveis, sendo que ser o centro das atenções, para eles, é a melhor forma de receber carinhos e elogios. Eles são donos de uma personalidade emocionalmente imatura: têm uma labilidade emocional marcada por instabilidade do humor, comportamento e opiniões; são inconstantes e não conseguem se manter estáveis por um longo período de tempo, além disso, não lidam com a monotonia e regras e facilmente tentam contornar ou ignorar situações de rotina. Estão sempre a mudar, hora são uma coisa, hora são outra. Egocêntricos, exigentes, exagerados e impulsividade evidente com uma severa dificuldade em tolerar frustrações e adiantamentos; impacientes e imediatistas, não suportam esperar. Também tendem a pôr sempre a culpa nos outros. Além disso, outra caracterítisca típica do histrionismo, é o comportamento teatral que eles têm. As outras pessoas costumam ter uma forte impressão de fingimento nas falas, opiniões, emoções e comportamento do histriônico, como se estivessem fingindo ou forçando o que falam, o que sentem, o que fazem.

Pessoas com esse distúrbio têm uma intensa instabilidade das emoções e do comportamento, além de frequentes distorções da imagem corporal (ex.: se achar muito gordo, muito magro, ou com defeitos imaginários com uma tendência elevada a desenvolver desordens como anorexia, bulimia, vigorexia, transtorno dismórfico corporal, etc.). Eles têm uma baixíssima tolerância às frustrações e facilmente se entendiam com rotinas, podendo começar um projeto entusiasmado, para depois não continuá-lo mais ou então começar outro evento sem ter terminado o anterior. Isto é facilmente notado através de seus relacionamentos, sentimentos por objetos e pessoas, gostos, trabalho e comportamento. Nos relacionamentos, por exemplo, eles podem enjoar e trocar facilmente de amigos ou até de cidade; podem gostar de uma coisa e depois, sem nenhum motivo, não gostar mais; nos estudos, eles podem mal começar para depois abandoná-los facilmente e, no trabalho, podem não durar muito tempo no cargo. Essa característica, entretanto, se difere das pessoas com Transtorno de Personalidade Limítrofe (Borderline) pelo fato de que histriônicos não costumam serem extremos, ou seja, não idealizam excessivamente uma pessoarecém-conhecida para depois, com um abandono real ou imaginado, desvalorizá-la rapidamente (característica limítrofe). Até porque Borderlines costumam manter relações instáveis, profundas e intensas mesmo com pessoas recém-conhecidas, enquanto histriônicos tendem a ter relacionamentos instáveis mas superficiais tanto que, geralmente, pessoas que pouco conhecem histriônicos não vêem muita coisa de anormal em seu comportamento, pelo contrário, histéricos costumam aparentar ser simpáticos, animados e, as mulheres, excessivamente sedutoras para os homens, encantando facilmente outras pessoas e pessoas extremistas (como Borderlines) podem apaixonar-se facilmente, logo no primeiro encontro, por histriônicos pela sua fácil arte de sedução. Contudo, pessoas com as quais histrionicos mantêm relação mais profunda, como familiares, melhores amigos ou namorado, os sintomas do distúrbio (dramatismo excessivo, teatralidade, manipulação, instabilidade intensa, busca contínua por atenção, vaidade etc.) torna-se exageradamente evidente. Tanto que pode ser comum manterem com os outros um relacionamento superficial, enquanto que com a família podem ser completamente diferente como terem um grande ressentimento ou mal-humor. Entretanto, uma das semelhanças entre personalidades histriônicas e borderlines talvez seja exatamente a grande carência afetiva cujo os dois transtornos sofrem. Contudo, também talvez a grande diferença são os meios por quais tais indivíduos buscam obter essa falta de carinho e atenção. Borderlines além dos outros principais sintomas, tendem a ser pessoas que se sentem irritadiças e merecedoras de cuidados especificamente de pessoas muito íntimas (ex.: marido, namorado ou família), mas não exigem ser o "centro" de atenções, a todo momento, enquanto que histriônicos tentam encobrir a carência afetiva através de caminhos muito extremos e dramáticos, a todo instante. Quando estão se sentindo muito sozinhos e sem atenção, as duas personalidades podem manipular as pessoas fazendo tentativas de suicídio ou ameaçar que vão morrer apenas para terem atenção e carinho recebidos para si. Contudo, esse tipo de atitude, é muito mais frequente em histriônicos que borderlines, porque limítrofes tendem ao suicídio não para chamar atenção, unicamente. Caso histriônicos percebam que suas manipulações não são bem sucedidas (ex.: as pessoas não acreditam), eles podem ter ataques de raiva ou ter atitudes muito mais dramáticas e extremas, a ponto de fazer a culpa ser sentida em todas as pessoas ao seu redor que não acreditaram, por exemplo, em suas falsas ameaças de suicídio que levaria à pena, atenção e carinho para com o suposto suicida.

Histriônicos estão sempre a mudar conforme cenário que, na maioria das vezes, tornam-se tão instáveis que podem chegar a um momento que não sabem mais nem quem realmente são, quais são suas reais preferências, comportamentos e, de forma geral, sua própria personalidade. Encenam e mudam tanto que às vezes chegam a acreditar em suas próprias encenações; tornam-se muito inconstantes e sem um modo estável de ser. Exatamente por isso, o conflito interno nesses pacientes é enorme: mudam de planos e objetivos a toda hora, identidade, relacionamentos, gostos, aparência física, sentimentos e até preferência sexual, queixando-se sempre de incompreensão por parte de outras pessoas. Essa confusão interna é tão grande que por vezes leva à dissociação (ex.: amnésia psicogênica, transtorno múltiplo da personalidade), negação, repressão, depressão e à histeria.

Histriônicos podem usar a aparência física para atrair atenção para si próprio, por isso, são excessivamente preocupados com sua estética, vaidosos ao extremo e geralmente exibem uma aparência diferente, extravagante podendo gastar muito tempo e dinheiro com produtos para cabelo, acessórios, maquiagem, roupas etc. Compartilhando também muitas características com o Transtorno de Personalidade Anti-Social (Sociopatia), com frequencia, exibem também uma aparência e/ou comportamento manipulativo: sedutor ou emocional, mas muito especialmente sedutor e provocante o que faz com que possam ser rotulados erroneamente como "tarados ou vulgares"; podem se vestir dessa maneira em situações não apropriadas (ex.: usar roupas ousadas para o trabalho). Resultado de uma imaturidade emocional, as mulheres histriônicas estão sempre querendo chegar numa perfeição física que, de certa forma, acaba tornando-a fútil, pois é obcecada pela beleza com o principal objetivo de seduzir; elas têm uma hiperfeminilidade com uma acentuada tendência a despertar desejo dos homens e geralmente fazem de tudo para impressionar o outro ao ponto de vista estético e sedutor. É comum mulheres com o transtorno de personalidade histriônica terem como passatempo predileto provocar sensualmente homens, por exemplo, a fim de atrairem o maior número de olhares possíveis para si. Camuflam por trás desse comportamento chamativo ou provocante, a necessidade de se sentirem amadas.

Esses indíviduos são pessoas que buscam constantemente elogios, empenhando-se excessivamente em impressionar aos outros com sua aparência física. Esta frequentemente é chamativa, sexualmente provocativa e as interações com outras pessoas são muitas vezes provocativas sexualmente, por vezes inadequadas. As mulheres histriônicas são muito sedutoras, facilmente entram em jogos de sedução, usam roupas provocativas (decotes, vestidos, roupas curtas e extremamente femininas) em variados contextos e, muitos deles, são inapropriados. Elas têm uma perceptível preocupação excessiva com sua aparência física e temem "ficar feias"; podem gastar muito tempo olhando-se ao espelho, cuidando dos cabelos e pele, retocando a maquiagem etc. e parecem sempre colocar a atratividade física em primeiro lugar. Além da aparência atraente, têm atitudes e comportamentos sedutores facilmente manipulando pessoas do sexo oposto. As histriônicas podem seduzir não apenas as pessoas pelas quais demonstram um interesse sexual ou romântico, mas também seduzem outros indivíduos de variados relacionamentos sociais bem como profissionais, desde melhores amigos até médicos, dentistas, chefes de trabalho, mestre, professor etc. É notável também, pela exímia capacidade em "interpretar personagens", histriônicos podem representar papéis de desatentos, bobos ou ingênuos, contudo, quando se trata de pensar em inúmeras formas para manipular, como seduzir, são verdadeiros habilitados. Na realidade, assim como anti-sociais, sempre em busca de novas excitações e novidades, vivem a escolher uma "vítima" para seduzir; quando enjoam, se cansam desta ou percebem que não são mais o centro das atenções dessa pessoa, procuram outra. No caso dos histriônicos, a verdadeira intenção é sempre receber elogios e atenção a todo momento. Quando não recebem elogios ou percebem que não despertam a atenção dos homens, por exemplo, as histriônicas podem ficar deprimidas em demasia.

Além disso tudo, pessoas com a desordem histriônica com seu comportamento e aparência frequentemente chamativos e atraentes costumam encantar facilmente pessoas em sua volta, como também fazer com que conhecidos ou amigos ciumentos afastem-se deles por achar erroneamente que a histérica irá seduzir, por exemplo, o namorado da amiga. São casos muito comuns entre pessoas com esse tipo de personalidade, entretanto, por mais que elas andem sempre provocativas sexualmente, nem sempre é a verdadeira intenção seduzir determinada pessoa e, por isso, com frequencia erotizam até relações não-sexuais. É o caso da histriônica que erotiza sua relação com o seu chefe de trabalho, seu professor, seu médico etc. De forma geral, histriônicos, assim como anti-sociais tendem a usar a aparência física sexualmente sedutora para conseguir o que querem, fazendo sempre "joguinhos de sedução" a fim de manipular.

O comportamento sedutor da mulher histriônica é tão intenso que não obstante essas mulheres vivem muito mais vulneráveis a ataques sexuais, assédios bem como atentado ao pudor, abusos e estupros. As adolescentes histriônicas - especialmente, por volta dos 17, 18 anos, quando os traços histriônicos estão bem evidentes - frequentemente têm de ouvir avisos e preocupações de seus pais, a respeito de sua aparência física sexualmente provocativa. Isto acontece porque a histriônica sempre erotiza suas relações, mesmo as que não deveriam ser erotizadas; são verdadeiras manipuladoras: além de aparência, gestos, palavras e posturas extremamente eróticas, elas ainda podem ser completadas com suas dramatizações e teatralidade, muitas vezes exagerando emoções pouco sentidas ou até nem se quer vivenciadas, podem aparentar grande amor ou paixão, embora isso realmente não aconteça; as emoções são sempre demonstradas de forma excessiva, tendendo sempre à intimidade exagerada, mesmo quando esta nem existe. O principal objetivo das mulheres histriônicas é sentir-se desejada e muito atraente para o sexo oposto o que leva, às vezes, o despertar intenso de desejos sexuais nos homens, ficando muito mais vulneráveis a psicopatas e estupradores em geral, porque elas se "modulam" sexualmente conforme suas "vítimas". Como o que as mulheres histriônicas - e histriônicos em geral - querem é atenção e desejo para si, podem passar às vezes a imagem de que usam os homens, por exemplo, apenas para fins sedutores. Por vezes, uma bela histriônica (cuida e preocupa-se sempre em excesso com sua aparência física sexualmente sedutora) provoca e seduz um homem, embora ela não queira de verdade uma relação sexual ou afetiva; frequentemente essas mulheres "interrompem" o entusiasmo do outro parceiro, afinal, seu único objetivo era apenas sentir-se desejada, atraente e com atenção. De maneira geral, seduzem com intensa feminilidade ao tempo que podem demonstrar-se difíceis (para dispertar ainda mais desejo do homem), para depois, nem se quer ter um relacionamento sexual ou amoroso concreto. Isso, mais uma vez, deixa as histriônicas muito mais expostas a crimes sexuais. Além disso, as mudanças rápidas e superficiais na expressão das emoções podem levar à portadora deste transtorno demonstrar grande paixão por seu parceiro, para imediatamente demonstrar desinteresse marcante na relação, levando à raiva e frustração do parceiro.

O drama é a característica principal do transtorno, sendo este usado frequente e exageradamente. Pessoas com a desordem de personalidade histriônica, por certos motivos (biológicos, familiar, ambiental etc.), têm uma sensibilidade muito maior que outras pessoas quanto ao receber emoções, sentimentos, opiniões, comportamentos, pensamentos etc. Ou seja, é como se histriônicos sentissem e vivenciassem tudo de forma profunda e exagerada, como se tivessem perdido na personalidade, em algum momento de sua vida, a capacidade de medir a intensidade das coisas. Tudo machuca o histriônico e isso com frequencia leva à depressão. Por isso, é frequente idéias paranóides fruto de uma percepção exagerada e, às vezes, distorcida. De outra forma, pode-se representar isto através de uma metáfora: espetando levemente a pele de uma pessoa normal, esta dirá que quase não sentiu nada; diferente da pessoa histérica que se espetada com o mesmo objeto e na mesma intensidade, tende a dizer que o objeto espetado a feriu muito e dói terrivelmente ou que irá matá-la. Exatamente por isso, as decepções e frustrações comuns na vida de qualquer pessoa, são, para o histriônico, praticamente insuportáveis, pois eles sentem tudo de forma intensa. Qualquer palavra ou gesto gentil destinados a essas pessoas podem machucá-las, pois podem ser entendidas de forma exagerada ou errada, o que gera frequentemente paranóias. Logo é perceptível que são excessivamente inseguros. O término de um relacionamento pode ser "o fim do mundo" para o histérico, o atraso de um telefonema do namorado, por exemplo, pode levar a histriônica ao choro com a idéia de que "ele não gosta dela", ou que "está fazendo de propósito"; bem como as palavras e gestos de uma pessoa muito especial para uma histrionica, por exemplo, podem ser entendidas erradas e levarem-na ao choro, ao achar que está "sozinha", que "ninguém a quer", que "ninguém a ama" ou que "é feia" etc. - típicas frases de dramatismo histriônico - e ainda sempre sentem que são injustiçadas e criticadas, mesmo quando não o são. Essas pessoas tendem a exagerar até seus relacionamentos e quando amam, amam excessivamente e por se ferirem facilmente, a rejeição ou o fim do relacionamento pode ser de extrema dificuldade de aceitação para elas, vendo frequentemente seu "mundo desabar" e podendo entrar numa profunda depressão. E então quando resolvem expor seus sentimentos e emoções são tachados de hiperexagerados, dramáticos. Isso tudo, pode acabar levando a pessoa com o transtorno às manipulações, como emocionais ou sedutoras. As emocionais podem ser citadas como ameaças e tentativas de suicídio (dizer que vai morrer, que vai se matar ou até mesmo tentar, bem como suicídio completo); e as manipulações sedutoras podem ser citadas as variadas formas de provocação que geralmente essas pessoas usam, como a preocupação excessiva com a beleza física, vestir-se provocantemente e erotizar relações não-sexuais. Na maioria das vezes, o drama é usado para chamar atenção para si, de forma inconsciente e em geral essas pessoas nunca reconhecem o uso exagerado da emocionalidade, muito menos se dão conta de que fazem papel de "vítima" ou "coitado". A causa dessa constante chama pela atenção (que resulta no dramatismo), está na carência afetiva imensa que o histriônico sofre.

Eles frequentemente fazem atos ou comentários muito dramáticos diante das pessoas e exageram suas emoções e expressões, aparentando não ser algo sincero até porque suas expressões são frequentemente exageradas mas excessivamente rápidas, por isso, se magoam ou se irritam facilmente e, diante de uma crise de riso, por exemplo, caso alguém faça-lhe um mau comentário, eles podem expressar-se rapidamente tristes, para em seguida, com a remissão do comentário, mostrarem-se bem humorados novamente. São muito sensíveis às críticas e necessitam da atenção, aprovação e elogios de outros para se sentirem bem. Incluindo também nos atos dramáticos, eles podem exagerar sintomas, doenças ou então estar sempre a reclamar ou dizer novos sintomas que nunca se define a causa, a fim de manipular ou chamar atenção para si. Entretanto, esses também são sintomas de histeria nem sempre provocados intencionalmente.

São pessoas muito emotivas, exageram suas emoções e sentimentos sendo que com frequência demonstram sentimentos ou emoções não apropriados publicamente e de forma inadequada, por exemplo, podem demonstrar profundo sentimento de ciúmes, frequentemente constrangindo amigos, namorado ou até pessoas por qual não têm nem se quer laços afetivos correspondido. Podem também abraçar com ardor excessivo amigos, falar muito alto em público, fazer escândalos, rir em exagero, gritar ou chorar excessivamente, entre outras "cenas teatrais" que podem envergonhar seus amigos. Além disso, eles podem fazer demonstrações públicas excessivas, como por exemplo, colocar apelidos em pessoas recém-conhecidas, chamá-la como "minha amiga" logo ao acabar de conhecer, etc. Isto geralmente acontece porque histriônicos costumam a considerar os relacionamentos como mais íntimos do que realmente são; estabelecem novos relacionamentos com facilidade, entretanto, sempre de maneira superficial.

Por mais que o estereótipo do histriônico seja um eterno animado, nem sempre eles reagem dessa forma para concentrar todos os olhares ao redor de si; as pessoas tendem a associar que pessoas muito extrovertidas estão sempre a chamar atenção, enquanto que as mais reservadas ou introvertidas, pouco se importam com atenção ou elogio, mas, pelo contrário, a maioria dos histriônicos superficialmente é simpática, entretanto, podem não demonstrar suas características histriônicas para pessoas com pouca intimidade, porque indivíduos com o transtorno têm dificuldades em estabelecer relações profundas e íntimas. Eles, na verdade, dissimulam tão bem seus papéis teatrais que muitas vezes as pessoas nem se quer desconfiam, e acreditam que são pessoas com comportamento aparentemente normal. Contudo, as manipulações emocionais e sedutoras estão sempre a ser bem feitas e quase sempre imperceptíveis no momento; o que frequentemente os outros percebem diretamente é que são pessoas carentes, dramáticas e muito atraentes sexualmente. Já, por exemplo, pessoas com relações mais próximas como as que moram junto ao histérico, percebem muito mais o comportamento inflexível e desviado. O que é muito notável no comportamento histriônico, é exatamente a modulação de papéis que fazem em cada momento que acham conveniente. Isto quer dizer que nem sempre usam um mesmo comportamento, como simpático, palhaço ou animado para atrair atenção para si; eles podem, pelo contrário, aparentar-se deprimidos, tímidos, retraídos; antipáticos, metidos ou agressivos, rebeldes, estressados e explosivos se assim achar que vão atrair atenção e carinho para si. Ou seja, interpretam um papel a cada cenário que acham necessário: um momento podem estar extrovertido, engraçados, animados; outra hora podem estar irritados, isolados socialmente, quietos, deprimidos ou tímidos. O que importa, para eles, independe do comportamento extravagante e barulhento mas sim o quanto vão receber de atenção.

Outras características perceptíveis do histriônico é o fato de serem pessoas muito exigentes e sempre tentam colocar a culpa em outros. São muito dependentes emocionalmente e vivem a exigir atenção de outros. O importante é notar a excessiva cobrança de atenção a todo segundo. Reclamam a todo instante que "ninguém está a dar atenção o suficiente para eles" e acusam seus amigos, por exemplo, de deixá-lo triste por não se importar com ele. Facilmente sentem um sentimento de angústia e falta de carinho, entrando em depressão de maneira muito rápida. Em geral, são muito inseguros e a todo momento sentem que precisam de mais e mais atenção (mesmo que isso ocorra), como se a atenção que as pessoas dessem, não fosse totalmente o suficiente; histriônicos precisam a toda hora estar a receber carinho e atenção somente para eles. Além disso, qualquer coisa que ocorra, o mais previsível é a tendência de colocar a culpa nos outros, isto vai desde conflitos até resolução de seus próprios problemas, ou seja, histriônicos frequentemente culpam outras pessoas, especialmente as mais próximas, como as culpadas de seus problemas, decepções e frustrações; seja de forma direta ou indireta, elas tendem sempre a contornar e achar um jeito de achar algo ou alguém como causador ou culpado. Na realidade, histéricos não têm maturidade emocional o suficiente para conseguir resolver tais problemas e, então, tendem sempre a culpar outros. Essa constante exigência de atenção e tendência a culpar outros com frequencia faz com que afastem as pessoas, sobretudo amigos e pessoa com a qual se tem um relacionamento amoroso.

Nos seus relacionamentos amorosos as característícas histéricas se tornam muito evidentes e com frequência fazem "tempestade em copo d'água", levando sempre à instabilidade nos seus relacionamentos devida excessiva insegurança e necessidade intensa de atenção constante. Sempre representando um papel, como "a vítima", tornam-se pessoas exigentes de atenção e por isso exigem que seu parceiro corra excessivamente atrás deles, como se toda pessoa com que se têm relacionamento amoroso tivesse a obrigação de dar a atenção e carinho necessário de uma forma exagerada. Contudo, caso esta pessoa mostre-se indiferente, histriônicos podem sentir-se irritados, desconfortados ou mal-humorados, podem "enjoar" desta pessoa ou começam suas manipulações como acusações. Quase sempre histriônicos não conseguem ver a verdadeira intensidade das coisas e acabam entrando em conflitos ou depressão por coisas de pouca importância. Por isso, são dependentes emocionalmente, sendo que as frustrações amorosas podem levá-los a quadros de depressão profunda com eventual ameaça ou tentativa de suicídio (podendo ou não ser uma forma de chamar atenção).

Pessoas que são afetivamente plenas, são capazes de manter um relacionamento amoroso estável, mas isso não acontece com as pessoas portadoras da personalidade histriônica. A imaturidade emocional nos histriônicos impede o aprofundamento nas relações afetivas, frequentemente gerando infinitos desapontamentos e frustrações. Isso muitas vezes contribui para relações superficiais e pouca ênfase nas relações sérias ou íntimas.

Indivíduos histriônicos, a fim de conquistarem o carinho e a atenção dos outros, sobretudo daquelas pessoas na qual são mais apegadas e sentem um grande apreço, podem viver a entregar presentes para estas pessoas, mesmo em ocasiões não comemorativas (como aniversários, por exemplo). Isto frequentemente ocorre também nos relacionamentos amorosos, mesmo naqueles onde não há compromisso mútuo. É o caso da mulher histriônica que vive a presentear o homem que deseja, mesmo a saber que este não a ama. Na realidade, pessoas com essa desordem da personalidade, ao levar presentes, tendem a considerar mais importantes o carinho e a atenção recebida por levar o presente do que propriamente dita a relação que elas mantêm entre si. Ou seja, presentear seria uma forma de elogiar a alguém, mas na verdade, para histéricos isso significa uma forma de receber atenção para eles mesmos.

Além da necessidade constante de atenção, as pessoas com desordem de personalidade histriônica têm um egocentrismo evidente também nas satisfações, sobretudo as imediatas. Além de sempre tender a fazer e/ou começar tudo com final rápido e recompensa imediata, eles frequentemente podem dar impressão de pessoas egocêntricas que pouco se importam com outros. Quando algo os interessa, podem aparentar egoísmo e sem importância a outras pessoas como quem só está ali para receber algo em troca (atenção, por exemplo). Também por isso têm dificuldade em manter relações, ocasionalmente parecem fingidos ou mostram pouca preocupação para com outros. Além disso, como todo o grupo B de transtornos de personalidade, os histriônicos não conseguem tolerar exigências e cobranças rotineiras, por mais que eles mesmos façam isso aos outros.

Assim como a personalidade dependente e borderline, a personalidade histriônica exibe uma grande ansiedade diante das separações com outras pessoas, pois são os tipos de personalidade mais dependentes afetivamente e emocionalmente e tendem a facilmente se entendiar e, nos períodos que estão sós, sentem-se como se não tivesse nenhum amigo real e durante esse tempo tornam-se inquietos, ansiosos e os mestres das dramatizações, necessitando de muito carinho, pois sentem-se inesperadamente perdidos e carentes. Caso se sintam fora do centro das atenções e sozinhos, podem chorar. Nesse período todo, a reatividade entre a agitação e depressão é tão grande pois eles têm medo de serem abandonados e não serem mais o centro das atenções. Eles são eternos dependentes de alguma pessoa ou objeto de afeição, mas usualmente são inabilitados para sustentar uma relação, contudo, têm uma reação emocional excessiva às rejeições.

Além disso, uma característica que frequentemente está presente é o ciúmes. A personalidade histriônica, borderline e paranóide são as principais desordens da personalidade que estão mais propensas ao ciúmes excessivo. No caso dos histriônicos, eles querem sempre ser a atenção de todos e, caso isso não aconteça, pela hipersensibilidade que essas pessoas têm, tendem a se sentir excluídos e tristes facilmente, com muito ciúmes ao perceberem que outra pessoa está a receber mais atenção que ele. Na verdade, eles querem ter a atenção apenas para eles. Para isso, novamente fazem uso da manipulação, como a autodramatização, para terem mais atenção para si. De maneira geral, pessoas histéricas estão sempre atentas às outras pessoas, pensando em alguma forma de manipular para que estejam a todo momento no centro das atenções, caso contrário, facilmente ficam depressivas.

Esses indivíduos, não toleram que outras pessoas sejam "o centro das atenções", frequentemente demonstrando ciúmes, acessos de mau humor e acusações. Quando percebem que tais atitudes extremas não são bem sucedidas, ocasionalmente podem se afastar das pessoas que, para o histriônico, dá atenção apenas a uma outra pessoa e não para eles. Por exemplo, é caso da jovem histriônica que se afasta de seus antigos amigos, repentinamente, porque tem sensação de que estes deixaram de dar atenção para ela, para dar a uma outra pessoa. Por isso, a inconstância até nas amizades e relacionamentos dos histriônicos são frequentes, podem trocar de amigos facilmente.

Essas pessoas, assim como todo o grupo B de transtorno de personalidade, não gostam de ser contrariadas e reagem de forma excessiva quando contrariadas. Elas podem reagir com acesso de lágrimas, raiva ou agressividade e rebeldia excessiva; o histriônico frequentemente reage de forma teatral tendendo sempre aos choros, lágrimas, depressão e mau humor.

São pessoas egocêntricas e raramente mostram-se preocupadas para com os outros, principalmente com pessoas mais próximas como familiares e têm mania de não pensar antes de agir, frequentemente se precipitam por não saberem esperar devidamente. Impulsivas, falam rápido, querem fazer tudo rápido e, caso percebam que não dê para acabar logo determinado projeto, elas podem abandoná-lo rapidamente, ignorá-lo ou até mesmo nem começá-lo, dando uma forte impressão de pessoas preguiçosas, impacientes ou que desistem facilmente. Na realidade, são pessoas imediatistas com tendência a fazer apenas as coisas com recompensas imediatas, imaturas emocionalmente e muito instáveis. Além disso, vivem reprimindo suas emoções e sentimentos negativos, bem como desejos, fazendo assim com que ao passar do tempo tudo isso vá se acumulando até resultar-se notadamente em um acúmulo de sentimentos ou emoções negativas (ex.: raiva ou ódio em excesso por algo ou alguém), bem como a conversão dessas emoções em sintomas físicos - histeria, dissociações e até transtorno de personalidade múltipla.

Histriônicos, muitas vezes, encantam as pessoas com que travam conhecimento pela primeira vez, contudo, eles podem fazer esse encanto desaparecer gradativamente à medida que as pessoas vão conhecendo e se aproximando cada vez mais do histérico; ou seja, pessoas recém-conhecidas frequentemente têm uma ótima imagem do histriônico, mas se algum deles tornar-se amigo do histriônico, é muito notável a progressiva indignação que elas obtêm pelo fato de ao decorrer da intimidade, esses amigos percebem o agravamento das dramatizações, as inúmeras tentativa de controlar os outros com manipulações emocionais, sedução e dependência, e sobretudo a necessidade intensa de atenção e excessiva insegurança demonstrada com a exigência constante de elogios, atenção e carinho. Nos relacionamentos com amigos, frequentemente o histriônico faz o papel de "vítima", exigem atenção a todo momento e, caso percebam indiferença, fazem manipulações emocionais como dizer que vai se matar ou até mesmo tentar, e ficam deprimidos facilmente; nos relacionamentos amorosos, essas características tornam-se muito intensas, fazem papel de "carentes eternos de afeto", frequentemente apegam-se em excesso pelo(a) parceiro(a), muito ciumentos com grande insegurança, excessivamente manipulativos e dramáticos, qualquer palavra ou gesto pouco importante, é percebido pelo histriônico como motivo de se sentir muito feridos emocionalmente, com medo profundo de não receber atenção e apelam novamente para dramatizações (ex.: uma mulher tende a manipular o parceiro somente pelo fato de que este, por exemplo, anuncia que voltará para a casa; a histriônica se sente sem atenção e carinho, e abandonada) muitas vezes chegando até a passar mal fisicamente por qualquer coisa, fazendo uma grande tempestade por quase nada. Isso tudo tende a afastar a pessoa que pode se cansar de tanta exigência emocional e se sente sufocada porque muitas vezes os histriônicos querem ficar o tempo todo ao lado da pessoa, a fim de ser o principal centro das atenções do parceiro.

Assim como todos pacientes com desordem de personalidade, indivíduos com o transtorno de personalidade histriônico fazem uso excessivo e incorreto dos mecanismos de defesas, sendo os mais usados por histéricos a repressão, negação, dissociação e transferência ou deslocamento. Contudo, reprimir emoções negativas ou sentimentos, bem como desejos é o mais frequente observado nessas pessoas. Além disso, eles também costumam generalizar e podem fazer um deslocamento de afeto, ou seja, quando o paciente transfere um afeto (sentimento ou emoção) de uma pessoa, para outra ou todas pessoas que não a primeira. Por exemplo, é o que ocorre num homem com transtorno de personalidade histriônica que se sente triste no trabalho quando percebe que seu chefe não o considera o centro das atenções; esse homem pode transferir raiva (que supostamente deveria ser expressada para o chefe) na sua esposa. [2] Outro exemplo também, é o caso da histriônica que, após uma frustração amorosa, cuja raiva foi reprimida para o homem amado, passa a sentir grande ressentimento ou ódio por todos os homens.

Pessoas com o transtorno de personalidade histriônica podem usar doenças ou acidentes para fazer com que o foco de atenção seja voltado para si. Muitas vezes glorificam doenças e podem se expor a riscos de saúde propositalmente, como se não se importassem com sua própria saúde, apenas para adoecer, porque tendem a acreditar que terão a atenção voltada para si e cuidado intenso caso estejam doentes. São pessoas que "gostam" de ficar doentes, podem exagerar os sintomas de suas doenças ou ainda podem, por exemplo, interromper um tratamento abruptamente quando percebem que já estão ficando bem. Isto também é evidente até mesmo em tratamentos psiquiátricos bem como psicoterapia, eles tendem sempre a abandonar o tratamento quando percebem que estão prestes a melhorar. Histriônicos também são propensos à hipocondria.

Nos pacientes histriônicos, o estilo cognitivo (memória, fala, linguagem etc.) há uma notável propensão à impressionalidade e superficialidade. Eles podem ter problemas em fixar sua atenção, concentração e têm uma dificuldade de ter uma análise racional das situações: as análises se fazem pela intuição e emoções, o que dá ao discurso características vagas e superficiais. Isto significa que tudo referente à cognição do histérico é muito exagerado e impressionável, entretanto, superficial, sem detalhes específicos. Por exemplo, o discurso dos pacientes com esse transtorno é impressionável mas carente de detalhes. Esses indivíduos costumam a generalizar e quando falam ou lembram de algo, não sabem dar detalhes, explicar ou dizer o porquê do determinado assunto. Isto pode ser também percebido nas famosas "respostas sem respostas", como "ah, porque sim."

Indivíduos histriônicos têm fortes traços hedonistas e têm severa intolerância ao tédio e rotina, estão sempre em busca de fortes estímulos, novidades e novas excitações. Isso também contribui para a instabilidade emocional, influenciando os variados outros contextos da vida do histriônico, como gostos, comportamentos e relacionamentos. Eles tendem sempre a ser instáveis em seus relacionamentos, por exemplo, porque tendem a conhecer entusiasdamente alguém, contudo, esse estusiasmo acaba dias depois quando percebem que se tornou rotineiro e velho; ou seja, suas amizades bem como romances podem não durar muito e frequentemente têm de estar mudando. Como são indíviduos evidentemente hedonistas, tendem a fazer apenas o que lhe dão prazer e, assim, deixam sempre para depois alguma tarefa importante ou rotineira, significativamente ruim ou cansativa. Eles fazem apenas tarefas estimulantes e prazerosas para eles, muitas vezes nem se quer se importando com a real importância das consequências que isto o trará sendo que com frequência nem chegam a fazer tais atividades cansativas ou pouco prazerosas.

Histriônicos necessitam de aprovações e sentimentos de serem importantes para outros o que faz freqüentemente exigirem que as outras pessoas também corram excessivamente atrás deles com o objetivo de se sentirem confortados, cuidados e amados. Quando estão carentes de afeto ou percebem que não são mais o centro das atenções sentem-se desconfortados, tristes e excluídos, podendo ter uma crise de expressionalidade emocional exagerada (dramatismo), bem como manipulações emocionais (ex.: acusações, exigências, tentativa de suicídio) ou sedutoras. Além disso, tendem a considerar os relacionamentos como mais íntimos do que geralmente são. Uma característica típica também da personalidade histriônica é a dificuldade de aceitar e resolver problemas o que conseqüentemente faz reprimi-los, levando a um quadro denominado histeria, uma capacidade que histriônicos têm em converter problemas emocionais para sintomas supostamente físicos.

São pessoas sugestionáveis: são muito abertos às opiniões e sugestões de outros. Isto casualmente faz dos histriônicos pessoas indecisas ou que mudam facilmente de opinião ou idéia totalmente contrárias. Podem falar algo para, em seguida, mudarem radicalmente de opinião, sendo que assim eles têm dificuldade em manter uma opinião fixa ou própria, concordando ou dependendo casualmente das sugestões alheias em relação ao que faz ou pensa. Por exemplo, é o caso da histriônica que, ao comprar dois vestidos, pede a sugestão da vendedora da loja, frequentemente afirmando depois para suas amigas "eu não soube exatamente qual vestido levar, então comprei este cuja vendedora da loja disse-me que achava mais elegante".

Como todos os transtornos de personalidade, os sintomas se tornam evidentes na adolescência ou no ínicio da idade adulta e tendem a persistir pelo resto da vida. Vale relembrar que, como todo transtorno de personalidade, os sintomas do histrionismo são inflexíveis, duradouros e causam prejuízo significativo no indivíduo bem como às pessoas em sua volta.

De maneira geral, pessoas com transtorno de personalidade histriônica tendem a chegar ao psiquiatra, primeiramente, por conta da depressão ou sintomas físicos com causa emocional (sintomas histéricos). Quando chegam ao especialista por outras causas, frequentemente tendem a culpar os outros, como por exemplo, dizer dramaticamente que as outras pessoas o abandonam, sendo que na verdade, não reconhecem que seu comportamento é problemático, fruto de um transtorno de personalidade. Essa características é típica em todas as desordens da personalidade; essas pessoas nunca enxergam seu comportamento doentio, para elas é algo normal e com frequencia dizem que são os outros que não as compreendem.

A palavra "histrionismo" vem de "histrião" que significa um indivíduo "ridículo, bobo, louco", bem como "dramático", por conta das pessoas que possuem esse distúrbio agirem dessa maneira, de forma teatral, pois o dramatismo é uma das características marcantes do histrionismo, o que faz geralmente as outras pessoas acharem que o histriônico está agindo de uma maneira falsamente exagerada ou irônica. Na realidade, essas pessoas são tidas como verdadeiros atores da vida, sendo esta um palco e eles os protagonistas com o principal objetivo de atrair o maior número de olhares e atenção possível das outras pessoas, a platéia. Mudam de "personagem" com frequência, como se na verdade, não tivessem apenas um modo estável de ser, o que leva constantemente a uma confusão interna, pois muitas vezes não sabem nem o que são ou o que querem.

extraído de http://pt.wikipedia.org/wiki/Transtorno_de_personalidade_histri%C3%B4nica

43 comentários:

  1. Que tipo de transtorno é esse? Se tiver algum psicílogo aí, ou alguem que entenda do assunto?
    Será que a mãe do meu filho é borderline?

    Ela é chata, acorda de mau humor, passa um tempo já está bem humorada, ciumenta e possessiva, ela não que nem que eu saia pra trabalhar, grita muito, é escandalosa, vive rodeada de amigos e amigas, se veste com roupas vulgares e chamativas, quer ser o centro da atençãoes, é mentirosa, tem mania de furtar objetos, não suporta ficar sozinha, gasta dinheiro atoa, fica devendo pra todo mundo... Já me traiu várias vezes..

    Além disso por qualquer coisinha ela começa a gritar e chegou a me agredir, quando conhece um novo amigo(a, é a melhor pessoa do mundo, dias depois ela passa a odiar a pessoa,. Não se importa com meus sentimentos, as vezes diz que me ama, as vezes me odeia, tudo o que ela faz de errado põe a culpa em mim... Não consegue trabalhar em nada, nem o serviço doméstico ela faz... As vezes chora, as vezes ri, faz coisas estranhas, exije sexo todos os dias..

    Estou separado dela há 4 meses, por traição e abandono de lar, entrei na justiça para ficar com a guarda do meu filho, pois ela não tem paciência com o menino, ela tenta voltar comigo, mas eu não aceito devido as traições, ela é muito bonita, sempre tem um monte de homens atrás dela, parece que ela gosta disso e não tem a mínima vergonha... Dia desses ela me agrediu a mordidas por ciúmes.. É muito escandalosa..

    Eu vivi com ela 8 anos, a mãe dela me disse que ela tentou suicídio uma vez com 17 anos, é filha de pais separados e a família dela inteira é meio esquisita... Enquanto eu vivi com ela, nunca tentou se matar, mas sempre ameaçava, ela não se auto-mutila, mas tem o costume de fingir que está doente, exagera nos sintomas... Ela é fria e cauculista, muito estranha mesmo...

    Por qualquer coisinha ela se ofende e parte pra ignorância, é impulsiva... Erra e não aprende com os erros.

    Ela nunca quis ir ao psicólogo e diz que eu é que sou louco, ela não... Qual será o seu transtorno?

    Meu nome é João.

    ResponderExcluir
  2. Olá gente!

    Sejam bem vindos e sintam-se acolhidos aqui.

    Bem, transtornos psiquiátricos grosso modo não tem cura, mas a qualidade de vida do portador pode ser excelente se adotar hábitos saudáveis inibitórios da patologia. Como é com o portador de alergias, variação na pressão arterial, glicemia, obesos e afins. Tudo muito relativo.
    Por vezes até mesmo a fé é capaz de transformar profundamente a vida do portador de algum transtorno de comportamento, provocando aparência de cura.

    A grande questão, no entanto, é praticar o autoconhecimento e procurar avaliar cada ação. Costumo dizer aos meus próximos que não podemos mudar o outro, mas temos poder sobre nós. Portanto, é mais fácil mudar comportamentos próprios e não atitudes alheias...

    Quanto ao questionamento do João, minha psicóloga comentou comigo uma vez que se nos compararmos ao que descreve o compêndio de Psiquiatria, acharemos que temos todas as patologias descritas. Mas na verdade quem faz o diagnóstico e consegue discernir transtornos psiquiátricos dentre tantos comportamentos humanos é apenas o Psiquiatra. Muito cuidado com comparações. Já não dizia a conhecida frase "de perto ninguém é normal"? Acrescento que nem de longe somos tão diferentes... Somos quem somos e o maior objetivo da vida para a maioria é ser feliz. Cada qual com seu método para alcançar seu conceito de felicidade.

    A propósito, não sou Psicóloga. Sou apenas uma paciente que usou a terapia como instrumento em favor da busca pelo autoconhecimento e consequentemente passou a se mover melhor dentre os totuosos caminhos da existência.

    Abraço a todos e voltem sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Difícil em amiga , minha ex infelizmente é histriônica , demorei muitos anos para descobrir , foi ate por acaso..mas depois estrudei muito sobre o assunto..inclusive a mim mesmo , quais as sequelas que ficarão em mim pela convivência de dez anos , nem sei como ela ficou tanto tempo comigo..e como suportei tanto..mas histriônicos tem um poder estranho de envolver as pessoas ..principalmente a principio..agora só me reta lutar e ao mesmo proteger a mim e ao meu filho que esta com ela e passou por cituações terríveis assim como eu.

      Excluir
  3. ola eu trnho uma amiga q e' exatamente assim, gostaria de saber q sao as causas deste sintoma de transtorno de personalidade histrionica ou histerica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HA VARIOS FATORES ENVOLVIDOS, MAS O PRINCIPAL DELES E A FALTA DE AMOR PARTENAL OU MATERNAL NA INFANCIA. HA TAMBEM A QUESTAO DO BULLYNG OU DE SER CRIADO NUM LAR PROBLEMATICO. EM ALGUNS CASOS FATORES GENETICOS TAMBEM ESTAO ENVOLVIDOS!

      Excluir
  4. É exatamente como me sinto, preciso ser elogiada o tempo todo e qualquer crítica negativa me deixa extremamente deprimida, isso é horrível, pois tenho necessidade de flertar com alguém apenas para satisfazer minhas carências, sem qualquer interesse real.Vivo em um conflito interno, pois interpreto tanto de acordo com o cenário que não tenho certeza sobre a minha real personalidade, se é que tenho uma!!!
    Me senti um pouco melhor ao saber que isso é uma patologia, mas agora não sei o que fazer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo mundo tem defeitos , tendencias a ter atitudes estremas , uns mais outros menos , a diferença é o controle , ou inibição destas emoções negativas , por exemplo ..todo mundo tem raiva , mas as reações são bem diferentes , uns se contem , dominam a raiva e não a raiva os domina , então o primeiro passo é identificar a sua fraqueza , próximo é controlar a si mesmo . Todos temos que lidar com emoções , frustações , perder coisas ou pessoas, raiva, não ser amado , serejeitado., coisas da vida , oimportante é entender e buscar o equilibrio , por isso tatas religiões eceitas , para ensinar e ajudar o Homem buscar o equilibrio e conformidade com as diversidades da vida.Ver a vida como uma escola , um aprendizado para que nos tornamos cada vez melhor , evoluir ..então não é uma questão de cura e sim uma questão de controle,como todo mundo , não existe ninguem normal , existem o que buscam a normalidade e conseguem dominar a si mesmo , o maior desafio de um Homem é ele mesmo.Então observe suas destemperanças , controle-se , esta é a chave, busque o equilibrio, domine as emoções negativas , voce pode , Este é o significado da vida aprender a se dominar , ser mellhor que hontem..pode ter certeza Deus esta com voce nesta trajetória de aprendizado , haverá dificuldades , com certeza ..muitas , mas se não houvesse não seria um aprendizado.

      Excluir
    2. Olá, sou histriônica também, naõ se sinta mal por isto, vc n escolheu ser assim! Pesquisar sobre o assunto é ótimo e procurar ajuda profissional tb, vc já fez terapia?

      Excluir
    3. Uma amiga psicologa, detectou que eu detenho a TPH, desde então comecei a buscar como reprimir algumas atitudes. O que foi falado neste artigo compreende com o meu perfil....rsrs. Mas esta certo que algumas atitudes ainda mantém ativas e não pretendo mudar elas.. se sou bom na manipulação e ter algumas atitudes dramáticas porque mudar?.rsrs

      Excluir
  5. sOU CASADA COM UMA PESSOA QUE NEM SABE QUE TEM ESSE DISTURBIO, MAS EU ME SINTO CONSTRANGIDA SEMPRE QUE SAIO COM ELE. eLE PRECISA SEMPRE SER O CENTRO DAS ATENÇÕES, EXAGERA NO DISCURO, SEDUZ MULHERES NA MINHA FRENTE E MENTE SEMPRE. eLE DEMOSTRA SER UMA PESSOA MARAVILHOSA E TODO MUNDO ACREDITA, MAS EM CASA É TOTALMENTE DIFERENTE. sEMPRE MUDA DE TRABALHO COMEÇA ENTUSIASMADO COM UM NEGOCIO E DO NADA MUDA, DIZ QUE NÃO DA LUCRO E TERMINA.ELE USA OS MEUS FILHOS CONTRA MIM COM O SEU DISCURSO SEDUTOR. nÃO HÁ QUE CONSIGA CONVIVER COM UMA PESSOA ASSIM. ELE ME TRAI E NEGA SEMPRE. NÃO SABIA QUE ISSO ERA UMA PATOLOGIA, MAS EU CONTANDO PARA UMA AMIGA ELA ME DISSE QUE NÃO ERA NORMAL, E EU COMECEI A PESQUISAR.
    NÃO SEI COMO ME COMPORTAR COM ELE POIS ELE SE ACHA SEMPRE CERTO, E EU ERRADA. GOSTARIA DE TER UMA ORIENTAÇÃO POIS ELE NÃO SABE QUE ESTOU ESCREVENDO, POIS EU GOSTO MUITO DE VIVER A MINHA VIDA MAS ELE AFETA O MEU ESPAÇO E ME MANIPULA USANDO OS MEUS FILHOS.

    ResponderExcluir
  6. O transtorno descrito neste post é mais comum do que se imagina. É da condição humana muitos dos comportamentos que lembram a personalidade histriônica. O Facebook que o diga...
    Mas reitero incessante e categoricamente: nem sempre descreve uma PATOLOGIA!
    Quando em tratamento, eu mesma me senti bipolar, border, histriônica, histérica... Na verdade, o que determina o diagnóstico é a frequencia e o impacto do comportamento problemático na vida psíquica, social, financeira... Ainda assim, somente a experiência acadêmica e clínica é capaz de mensurar esses sintomas e definir o diagnóstico.
    Afinal ( e ainda bem) tudo tem controle. Tudo no início é "máx" ou "mín", é "tudo ou nada", "certo ou errado", "perfeito" ou "desastroso". O autoconhecimento é o melhor remédio que conheci e conheço até hoje. Mesmo assim, se não funcionar, tomaria outro, e outro, até encontrar o que melhore meus sintomas.
    Quando estamos doentes, com desconfortos físicos, prostrados, não tomamos remédios que nos livrem de tamanho mal-estar? Porque tanto preconceito com os remédios que aliviam a alma??!! Pensemos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade...todos temos transtornos..emoções, tendencias a atitudes estremas , a diferença é quem controla quem , razão X emoção ...claro que alguns terão que lutar mais que outros , e quem esta mais confortavel hoje , poderá que lutar amanhã..não se julguem menos que os outros , todos fazemos parte da mesma luta ..remédio que alivia a Alma é a saberdoria , passada pelos amigos ,como aqui , graças a Deus que hoje aqui na Net não estamos sozinhos , podemos desabafar , encontrar apoio , conhecimento , nos ajudar , afinal estamos todos no mesmo , barco ,, com entes queridos , com amigos , lutando contra todos os transtornos da vida.Procuarando A Paz o Amor a Saúde..enfim ser Feliz

      Excluir
  7. Acho que meu parceiro tem muitas dessas caracteristicas, o que mais me chateia é saber que ele já flertou com outras mulheres, usando meios como redes sociais e uma outra vez peguei uma conversa "estranha" intima demais com uma conhecida nossa e mesmo depois que eu descobri ele nega ate o fim... O pior de tudo é que usa o ataque como sua defesa, fala que me traiu ou que mantem conversas com outras pessoas, pois diz que a dissimulada da história sou eu... Vive a dizer que ele sim me ama, e quem não o ama sou eu... Quando estamos bem tenho que manter contato com ele a todo tempo, mesmo sem ter assunto para falar eu tenho que ligar para ele, pois se não ligo ele logo fala que eu estava a trai-lo e por isso não liguei, quando estamos ao telefone e que preciso desligar (ex: estou indo trabalhar com bolsas e o onibus lotado, peço para desligar enquanto tento me equilibrar em pé no onibus, ele não aceita, diz que quero desligar para ver "machos"...) Amo ele,mas me sinto muito mal, pois nada que eu fale pra ele o faz acreditar em minha fidelidade, sendo que jamais o trai. O que me deixa confusa é que brigamos por coisas bobas diariamente,ja perdi as contas de quantas vezes conversei com ele seriamente e pedi para que seja sincero comigo, pois me sinto muito carente e por gostar muito dele acredito que podemos dar certo juntos. Fico imaginando oque levaria uma pessoa aceitar discussões diarias e ainda assim manter um relacionamento...? Em meu pensamento creio que somente gostando ou amando é que aguentamos isso. Então fico nessa, estou com ele por que gosto dele e por que acredito que ele também goste de mim. Moramos juntos menos de um mês, por que ele se encomodava com visitas diarias de pessoas da minha familia em casa por mais que fosse por menos de 5 minutos...
    Isso pode ser um transtorno de personalidade ou seria normal uma pessoa agir assim... Ele é super grosso e nao mede palavras com ninguem, mas nunca levantou a mão para mim...
    ALGUEM ME DÁ UMA OPINIAO SOBRE MEU CASO...
    OBRIGADA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PELA ANALISE DE TUDO QUE VOCE RELATOU, PERCEBO QUE SEU MARIDO POSSUI O QUE CHAMAMOS NA PSIQUIATRIA DE PARANOIA. RECOMENDO QUE VOCE SE APROFUNDE NO ASSUNTO. SEJA FELIZ!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. Olha, o risco de você ficar doente é muito grande. Quer uma dica? Cai fora enquanto é tempo. Palavra de profissional.

    ResponderExcluir
  9. Tenho o diagnostico de histriônica,sofri e sofro muito ainda...alguns quisitos do transtorno são evidentes e fortes em mim...outros nem tanto,pesquiso muito e faço isso as escondidas pq sinto vergonha de quem eu sou...Uma coisa que me ajuda um pouco é a leitura de auto conhecimento,mas quando estou em crises mesmo ou nem sei se é bem assim que posso colocar,eu só quero tomar remédios para dormir e esquecer quem eu sou...só que muitas vezes nem o remédio faz efeitos mas,sinto tudo com muita intensidade.Eu só queria ser normal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Difícil mesmo , mas vocês são fascinantes ...intensas..não se deprima ...procure alguém que te entenda , que não tenha ciúmes , porque vocês são fogo , todo mundo tem defeitos..você só precisa de alguém que te ame do jeito que é , que te conheça e precisa nunca desistir dele , porque ele não suprira suas emoções , mas será seu melhor amigo,aquele de todas as horas..

      Excluir
    2. Eu qdo me sinto só e carente tento preencher meu vazio com sexo, depois me sinto super mal, mas se nao faço fico angustiada. tenho uma necessidade absurda de ser tocada e no m intimo penso q sexo é uma demonstração de amor e qdo ele some eu fico arrasada pq me apaixono fácil e acho q o interesse dele por mim é amor, dai ja penso em casamento. Mas a fila pode voar pra mim sem nenhum problema.

      Excluir
  10. me caiu como uma luva esta personalidade, mas sou fiel tá amore, rsrsrsrsrsrsrsrsrs. Gosto de ser notada e tal mas flertar e seduzir só qdo to solteira ou qdo sou desvalorizada o chapéu de touro entra em ação sem dó nem piedade. depois eu assim posso faço um acordo com ele eu entro com o pé e ele com a bunda. kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você sempre vai achar que esta sendo desvalorizada ..não sabe´diferenciar ..você não confia em ninguém...por isso é um transtorno.., sei porque fui casado com alguém assim ..fascinante uma hora um pesadelo outra....segurei a barra 10 anos..rsrs difícil..é muito pra você e quem você gostar..você Ama e Odeia fácil..

      Excluir
    2. Nao confio mesmo e nao gosto de me envolver com ninguem, minhas amizades sao superficiais pq as pessoas só me magoam e nao me valorizam. Mas adorooooo ser do jeito q sou sensivel d++++++=) escrevo até poesias.

      Excluir
    3. Vc disse vc ama e odeia fácil....
      Então q faça a lição direitinho não venha com caôs. rsrsrsrsrsrs....

      Excluir
  11. Gostei do blog!
    Sou estudante de Psicologia e hoje descobri através de um colega que estou dentro desse quadro de TPH, daí vim pesquisar um pouco e me encontrei aqui..
    A frase do topo:
    Um pouco de mim, um pouco do outro, um pouco do mundo, um pouco de tudo. Sempre renovando e evoluindo...
    parece com uma frase que fiz para descrever a mim mesmo.

    ResponderExcluir
  12. Eu tenho um amigo que sofre deste transtorno (Transtorno de personalidade histriônica) e já cheguei a desconfiar dele... que atitude as pessoas próximas devem ter com essas pessoas ??????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for só um amigo ,naõ tem que ter atitude nenhuma, se te constrangir , sai fora..se for importante , procure contornar..

      Excluir
  13. minha mãe é exatamente assim.

    ResponderExcluir
  14. Acho q deve ser o casal perfeito uma histriônico com um borderline!

    ResponderExcluir
  15. adorei as aulas, gostaria de adquirir mais conhecimentos e informações como livros ou dvds dentro desse mesmo contexto, ou por email, www.pejose@bol.com.br estou esperando, obrigado.

    ResponderExcluir
  16. Olá pessoal, sou histrionica diagnosticada tanto pelo psiquiatra quanto pela psicologa, é bastante difícil sou ciente do meu problema e ao contrário de muitos nunca abandonei o tratamento, sou acometida por depressão :( e faço uso de antidepressivos q felizmente mantem mais estável, daqui uns meses completarei três anos de tratamento e até hj sofro muito, ainda hj tive vários surtos pq meu notebook deu pau e trabalho online e pq meu atual affair virtual n me responde no skype a três dias, já chorei, gritei, puxei os próprios cabelos, bati com minha cabeça na parede e ameacei suicídio no facebook , felizmente por sorte (ou azar não sei) tenho muito medo de agonizar e sentir dor pra morrer, logo n me matei até hj pq n tenho nem cianeto de potássio nem arma de fogo p me matar rapidamente, o que me faz pensar em suicídio é a dor e angustia q sinto no meu caso n penso apenas em chamar atenção, a angustia q sinto é tão grande que quero me matar para que esta sesse de uma vez, e tudo isto acontecendo sozinha em casa, tamanha é minha dor.... é muito estranho, n é frescura minha e tenho conciência q o problema terá solução de uma maneira ou de outra mas o q sinto é absurdamente incomodo, pra ajudar eu tenho uma capacidade enorme de converter a dor emocional em física, fico toda empolada, me coçando e sinto dor física no peito, como se fosse infarta.... venho de uma família toda ferrada, minha mãe morreu, meu pai alcoólatra, tios alcoólatras e madrasta má, sei q meu jeito de escrever faz parecer que estou exagerando,mas n estou.... e td bem assim msm mas como uma boa histrionica n poderia escrever de outra forma, evolui bastante no tratamento hj n culpo mais ninguém (exceto meus pais que me causaram o desprazer de nascer... pelas coisas ruins da minha vida assumo e muito a responsabilidade dos meus atos, alguns ate podem dizer q estou dramatizando neste parentese por ser histriônica, mas nem tanto.... raciocinem comigo, pra que uma pessoa doente, sem condição financeira, toda lascada, sem a menor estabilidade emocional, que já tem três filhos vai me arranjar mais uma p viver toda lascada igual a ele... eu MORRO DE MEDO de ter filhos e o bebê nascer premiado com as minhas patologias.... :( ) mas enfim.... voltando ao assunto depois deste parentese enorme, me responsabilizo pelas dividas q faço, pelo dinheiro q n guardei, por algumas relações terminadas, evolui bastante mas ainda tem mto p melhorar, no fundo eu gosto de ser histriônica, gosto de ter muito sex appeal, gosto de estar sempre rodeada de amigos e tal, ah e n faço questão de toda a atenção exclusiva p mim... AMO histriônicos p dividir o palco comigo, inclusive uma das minhas melhores amigas é histriônica tb .... me sinto bem com ela pq ela me entende.... o que dói msm é a questão das decepções e frustrações, esta coisa a flor da pele... várias vezes já me dopei pra dormir 12h seguidas e "esquecer" que o mundo existe... Bom é isto como uma boa histriônica acho q me perdi um pouco no enredo rsrs mas o que quero passar é q TPH existe, atrapalha e muito a nossa vida, porém tem tratamento e dá ao menos p conviver com a patologia sem maiores complicações, eu quando fui diagnosticada nem conhecia o termo... quando cheguei em casa fui logo pesquisar na net e só faltou uma foto minha ao lado rs ..... pensei uma piriguete dramática .... sim sou eu rs..... o que tenho pra passar p vcs além do meu dia péssimo de histriônica é a importância do tratamento, se desconfiam que tem o transtorno procurem ajuda especializada, este blog é ótimo alias meus parabéns a autora, no entanto como ela msm diz em seus comentários aqui é um espaço pra troca de experiencias e adquirir informação, procurem os profissionais adequados, torço pra que tenham um diagnóstico negativo pra qq doença emocional, porem se for positivo, nada melhor q iniciar logo o tratamento.... eu passei anos achando q ficava doente o tempo todo por baixa imunidade, que eu era preguiçosa sem força de vontade e terminei um casamento de 5 anos por conta da falta de ajuda profissional.... beijos a todos e a autora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida vc deve ser Border tb. pq eu não fico pra morrer por causa de namorado não! Eu acho ruim ficar só e corro pra bebida e sexo ou sexualizar numa tentativa de preencher o enorme vazio q há em mim no mais somos iguais.

      Excluir
  17. Boa Noite. Fui diagnostica c TPH pela terapeuta do meu marido (ou ex marido). No início não sabia bem o que significava, mas ao ler esses depoimentos, percebi que de fato sou histriônica. Como todo transtorno de personalidade, algumas características são mais evidentes em mim, outras nem tanto. Tive um infância muito difícil, brigas domésticas infinitas, falta de atenção dos meus pais, minha mãe faleceu no fim da minha adolescência e foi uma mãe bastante negligente em vários aspectos e super protetora em outras. Enfim, uma histriônica típica. Estou sofrendo muito nesse momento por conta do fim do meu casamento de 9 anos. Como toda histriônica não consigo lidar c o final do relacionamento. Não tenho mais a atenção do meu ex-marido que por sinal já está começando um novo relacionamento, o que torna ainda mais insuportável a dor. Tenho 2 filhas lindas, uma de 5 anos e outra de 3 meses. Meu ex-marido saiu de casa quando a bebê tinha apenas 2 meses (oh drama histriônico). Não sei como lidar comigo mesma.Sei que descobri um problema, quero corrigi-lo. Onde moro a única profissional que conhece o termo é a terapeuta do meu ex, que diga-se de passagem, não quer nem me atender ao telefone por conta das inúmeras dramatizações que fiz com ela. Não sei aonde buscar ajuda. Já consigo perceber alguns momentos em que ajo por conta do transtorno, mas isso tudo ainda é muito novo. É reconfortante saber que toda essa minha dor tem um motivo, agora só me falta descobrir como tratar.

    ResponderExcluir
  18. Texto bem fraco, repetitivo e exagerado.. O exagero faz com que no proprio texto sejam delegados `a pessoa com transtorno histrionico, sintomas de alguem com trantorno de personalidade boderline, o que nao e' verdade... Nao se diagnostiquem, nao e' divertido, nem sauda'vel ter uma doenca, ou achar que a tem.. Deve-se ir a um psicologo, ate porque o tratamento para esse tipo de transtorno e' longo, e nao tem cura efetiva `a base de remedios..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim repetitivo, mas nao vi nada de errado nele nao. Sei bem o que é pois convivo bem de pertinho com um histriônico. Tal e qual. Atençao, há sim correlações de sintomas entre o border e o TPH, procure o DSM IV, um especialista tb ajuda. Aliás, concordo com vc, nada de auto diagnostico. Procurar ajuda é o primeiro passo. E sim, repito, o texto vale a pena ser lido.

      Excluir
  19. Gente eu estou de de boca aberta.... eu tenho TPH!! Eu comecei a pesquisar sobre a minha necessidade de atenção e disturbios de humor e fui pesquisando...pesquisando e me enquadro em todos os sintomas.....
    Quero muito procurar ajuda pq isso me atrapalha demais....quando tinha 15 anos procurei um psicólogo justamente por causa desses sintomas mas frequentei por meses e parei pq a psicologa me irritava....mas na época ela não me diagnosticou com TPH, acho que era mto nova e os sintomas ainda não eram tão evidentes como são hj, e pela minha habilidade em interpretar e mentir acho que ela não teve tempo ou não identificou isso em mim....
    Bom mas o mais importante é que eu quero procurar ajuda....só não sei por onde começar.... procuro um psicólogo, psiquiatra ou terapeuta?? Existe alguma especialização que os profissionais precisam ter para me tratar? Como por exemplo: psicólogo voltado para transtornos e tal ou pode ser qualquer um??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure inicialmente um(a) psicólogo(a), faça algumas sessões e veja se este(a) te passa confiança...... este é o primeiro passo.

      Excluir
  20. Namoro um histrionico e so descobri fazendo terapia e depois de muito sofrer por conta de meu relacionamento...fazem 4 anos e confesso q estou no meu limite, ele é isso tudo ai descrito acima, mas nao só, ha nessas pessoas o lado bom tb e isso q doi, saber q amo uma pessoa q tem tudo pra ser maravilhosa, so que nao, e o pior, destroi qq relação com quem quer q seja..que ame..enfim.....
    o fato é q ja perdoei, ajudei,,,muito,,,muito mesmo,,,e hoje quem adoeceu fui eu...
    nao consigo sair da relação...ainda existe em mim esperança de q dias melhores possam vir, infelizmente ainda há...pq sei q seria mais facil se eu ja tivesse desistido e caído fora..mas meu coraçao ainda nao consegue
    faço terapia e tem me ajudado muito...para que convive tb é importante a auto analise...
    é uma questao de tempo ..eu vou caindo em mim e tomando decisoes...até conseguir sair..ir...deixar
    confesso triste demais...doi muito pq sei q preciso desistir dessa pessoa...pq me faz sofrer muito..e por mais q eu tenha força...está dificil
    apenas desabafo de quem convive..que está do outro lado e tb sofre as consequencias
    alguma sugestao?

    ResponderExcluir
  21. Convivemos diariamente com pessoas assim, temos que ser paciente. Poia nem Jesus Cristo o Salvador do mundo agradou a todos, quanto mais nós seres simples e de grandes personalidades.

    ResponderExcluir
  22. Fiquei muito feliz ao saber que isso é uma doença psicologica, pois sendo uma patologia eu posso tratar!

    Agora vou procurar ajuda médica!
    Obrigada mesmo!

    ResponderExcluir
  23. Meu Deus! Eu tenho isso!
    O pior é que é dificil lidar com essa situação, pois sou uma pessoa naturalmente bonita e atraente, então geralmente a atenção está sempre para mim mesmo que eu não queira.

    Eu vou me tratar.
    Foi bom esse arquivo, eu nem imagina que essa minha "personalidade" era doença!!!

    ResponderExcluir